Em casa de ferreiro, a colher é de pau…

Alimentação e Metais Pesados

mas a alimentação é melhor!


Já falamos aqui sobre os fatores antinutricionais e como melhorar a absorção dos nutrientes, porém, pouco se fala sobre os malefícios que a exposição a metais pesados através dos utensílios de cozinha pode causar.

O alumínio e o níquel, presente em alguns itens, principalmente panelas, pode migrar para o alimento durante o processo de cozimento e a exposição excessiva e constante pode causar inflamação ao organismo, depósito nos ossos e pulmões e aumento do risco do desenvolvimento do Mal de Alzheimer.

O teor do alumínio presente em alimentos é variável, mas ainda assim é tipicamente baixo. Por outro lado, por serem vulneráveis à degradação com o tempo (e consequente exposição dos alimentos ao metal), os utensílios desse tipo podem ser nocivos em determinadas condições.

  • Tempo de uso do utensílio

  • Quanto mais novo, mais alumínio será liberado (principalmente 30 minutos após o ponto de ferver a água, depois se iguala a utensílios velhos)

  • Se o PH do alimento for ácido

  • Molho de tomate (cozido por mais de 15 minutos) e café também podem conter um teor maior desse metal

  • Excesso de sal e açúcar nas preparações

  • Uso constante de panela de pressão

Além dos utensílios de cozinha, outras fontes também devem ser observadas com atenção:

  • Água consumida, devido à chuva ácida

  • Medicamentos, como antiácidos contendo hidróxido de alumínio

  • Alimentos processados, como conservas de picles, queijos e fermentos

Itens e panelas de aço inoxidável ou de cerâmica são mais duráveis e seguros para a saúde, assim como as de vidro para uso esporádico. Outra dica importante é evitar o uso de colheres de metal para manipular os alimentos.

E lembre-se: consulte seu nutricionista com frequência!

Nutricionista responsável Fabiane Almeida | CRN 8 6363

Fontes de apoio:

1. Por Dentro das Panelas, Késia Diego Quintaes, Livraria Varela Editora (2005).

2. PASCHOAL, V.; NAVES, A.; FONSECA, A.B.B.L. Nutrição Clínica Funcional: dos princípios à prática clínica. 1 ed. São Paulo: VP editora, 2008.

Tagged:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Imagem CAPTCHA

*