DISLIPIDEMIAS

Dislipidemias

O nome é difícil, mas evitá-la é mais fácil!

Dislipidemias são alterações, geralmente aumento, nos níveis de gorduras circulantes no sangue. Ahhh, agora sim, né?! A dislipidemia pode ter origem genética, hormonal ou alimentar e o tratamento consiste em mudanças na alimentação, prática de atividade física, assim como controle do peso.

Uma alimentação variada permite o consumo de vitaminas e minerais importantes no controle e absorção de gorduras e auxilia na eliminação dos excessos. A prática de atividade física não só ajuda no controle do peso, como permite aumentar os níveis de colesterol bom (HDL). Sabemos que mesmo o colesterol bom não deve estar muito elevado, assim como os níveis de triglicerídeos, colesterol total e LDL devem estar dentro dos valores de referência, de acordo com a idade de cada pessoa.

Separamos alguns alimentos essenciais para a dieta de quem está com o colesterol alto:

Alimentos Recomendados

  • Farelo de aveia: contém beta-glucanas, substâncias comprovadamente benéficas no tratamento do colesterol alto e age também como preventivo, junto a uma alimentação adequada, devido aos nutrientes presentes nela;
  • Vegetais: priorize os vegetais verde-escuros, como o brócolis, repolho, couve, rúcula, agrião, assim como incluir couve-flor, acelga, cenoura crua e berinjela que contribuem para diminuir inflamações do organismo e facilitar o processo de destoxificação.
  • Abacate: o seu uso possui diversos benefícios devido ao teor de gordura que possui. Isso facilita a diminuição da absorção de açúcar e gorduras pela dieta, além de gerar saciedade por mais tempo, sendo uma ótima opção de lanche no final da tarde. Mas preste atenção à quantidade e frequência de uso: 2 colheres de sopa, 3 vezes na semana, já lhe garantem estes benefícios.

Alimentos Não Recomendados

  • Embutidos (todos);
  • Carnes vermelhas gordas (costela, cupim) e carne de porco;
  • Leite e derivados na sua forma integral (possuem mais gordura saturada);
  • Biscoitos e pães fabricados com “Gordura Vegetal Hidrogenada”;
  • Alimentos fritos, como salgadinhos, salgados de festa, “lanches de rua” e fast foods em geral;
  • Massas refinadas (massas folhadas/empadão);
  • Doces em excesso e/ou com muito açúcar refinado.

E lembre-se: consultar seu médico e nutricionista regularmente é essencial!
Nutricionista responsável Fabiane Almeida | CRN 8 6363

Fonte de apoio:

1. PASCHOAL, V.; NAVES, A.; FONSECA, A.B.B.L. Nutrição Clínica Funcional: dos princípios à prática clínica. 1 ed. São Paulo: VP editora, 2008.

2. Brazilian Journal of Pharmaceutical Sciences. Vol 45, n. 1, jan./mar., 2009.

Tagged: , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Imagem CAPTCHA

*