CHÁ DA TARDE

Chá da Tarde

Toma um chazinho que passa.

Quem já ouviu a frase “toma esse chazinho que passa” sabe que o uso de ervas medicinais não é novidade. Contudo, é sua forma de administração e o tempo de uso que garantem sua eficácia. Ingerir toda e qualquer erva em forma de chá não é indicado e exige cautela, por isso é imprescindível conhecer alguns aspectos sobre elas para se obter o máximo de benefícios.

As partes mais utilizadas são as folhas, flores, caules, sementes e raízes, podendo ser preparadas das seguintes maneiras:
Decocção – O tempo estimado de fervura da planta vai de 5 a 10 minutos. Pode ser usado para cardamomo, gengibre, canela em rama ou anis-estrelado.
Infusão – O tempo estimado de contato da planta com a água de 5 minutos. O ideal é utilizar em plantas frescas, pois além do preparo de chás, seu produto pode ser utilizado como água aromática no cozimento de arroz, assim como para hidratar tâmaras e figos secos.
Tintura – Ocorre a extração da droga vegetal a 20%, ou seja, 1 litro de álcool para 200g de planta, de forma padronizada e, por isso, feitos apenas por profissionais.
Extrato Seco – Geralmente mais caro e formulado em local apropriado (farmácia de manipulação).

Os mais comuns e utilizados em casa são a infusão e decocção, porém nem todas as plantas podem ser preparadas da mesma maneira. Vejamos alguns exemplos:
Salsa / Salsão: beneficia rins e bexiga. O chá de salsa, antes da drenagem linfática e para períodos de inchaço, assim como as folhas de beterraba, melhoram o quadro e auxiliam em tratamentos estéticos.
Cardamomo: a parte utilizada na forma de decocção é a semente verde (fresca). Com ação termogênica, tem sabor marcante e levemente adocicado, podendo ser usada em sucos e vitaminas.
Canela: também com ação termogênica, quando em forma de decocção, adoça cafés e combina muito bem com frutas. Mas atenção, é preciso cuidado ao administrar em idosos, crianças, portadores de doenças renais e gestantes.
Zimbro / Pimenta do Reino: planta com a propriedade de estimular a insulina, é indicada a pacientes portadores de diabetes tipo II ou com resistência à insulina, podendo ser utilizada como tempero de carnes.
Carqueja: tem ação tonificante para o fígado, pois auxilia na produção e secreção da bile e não possui toxicidade.
Espinheira Santa: possui ação tônica, analgésica, antisséptica, cicatrizante, diurética, laxativa e, consumida antes das refeições, auxilia na digestão.
Lembre-se: Toda e qualquer indicação deve ser precedida de avaliação, por isso procure seu médico e nutricionista para lhe ajudar.

Fique ligado! Em breve mais notícias fresquinhas pra você!

Nutricionista responsável Fabiane Almeida | CRN 8 6363

Fonte de apoio:

1. Caderno das Nossas Plantas Medicinais – Instruções Práticas e Preparações Tradicionais da Fitoterapia Brasileira – CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), 2011.

Tagged:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Imagem CAPTCHA

*