Carboidrato do bem?

Post_in_tuberculos

A dica do cartão alimentação desse vai te ajudar a entender melhor o papel desse vilão ou mocinho.

Dando continuidade a nossa série, falaremos sobre alguns tipos de carboidratos. Os carboidratos são as principais fontes de energia as células do nosso corpo, sendo os mais consumidos: arroz, macarrão, batatas e pães. Na era das dietas da moda, de estilo low carb (baixo em carboidrato), veremos algumas fontes de carboidrato complexo (de liberação lenta no organismo, proporcionando mais saciedade e energia regular), mostrando que sim, é possível consumir fontes de carboidrato e poder controlar o peso.

Veremos outras opções e aplicações:

Araruta

Características: matéria-prima para extração da fécula ou da farinha, de ampla faixa de distribuição, desde o Nordeste até o Sul do País.

Uso culinário: a fécula da araruta é utilizada para confecção de bolos, biscoitos, mingaus, doces e pudins. Também pode ser usada em substituição ao amido de milho, para engrossar molhos, cremes e sopas. Pode ser usada para pacientes celíacos, pois não contem glúten.

Inhame

Características: inhame é o nome genérico que agrupa muitas espécies, que produzem tubérculos comestíveis. Planta de clima tropical, o inhame desenvolve-se bem em regiões quentes e úmidas.

Uso culinário: rico em carboidrato, amido, vitaminas do complexo B e minerais, o inhame pode ser consumido cozido, assado, em pirão, sopas, cremes, pães, bolos, biscoitos, panquecas e tortas. Pode substituir muito bem a batata-inglesaem vários pratos.

Mandioca

Características: a mandioca constitui um dos principais alimentos energéticos utilizados no Brasil, devido à sua rusticidade e ampla adaptabilidade.

Uso culinário: Seja na forma de farinha ou, mais comumente consumida, cozida ou assada, a mandioca é uma ótima fonte de carboidrato, além de conter Fósforo e vitamina C. Um derivado da mandioca que teve grande destaque nos últimos tempos, tem sido a farinha de tapioca. Mas atenção, para o seu consumo, é imprescindível associar alguma fonte de fibra (aveia, linhaça ou chia) ou uma fonte de proteína (ovo, carnes bovina ou de frango).

Mas lembrando que toda e qualquer indicação deve ser precedida de avaliação, por isso, procure seu nutricionista para lhe orientar quanto, qual espécie e a qual a melhor forma de preparo e consumo dos carboidratos.

Fabiane Almeida | Nutricionista CRN 8 6363

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA:

1. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Alimentos regionais brasileiros / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – 2. Ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

Tagged: , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Imagem CAPTCHA

*